quarta-feira, 22 de julho de 2009

As palavras que nunca te direi...


Poderia ser o título de um livro (como é), mas neste caso não.
Tal como muita gente, eu tenho imensa dificuldade em dizer aos outros aquilo que sinto. As pessoas que mais amo são aquelas que mais dificilmente me ouvem dizer que as amo, ou me ouvem pedir-lhes desculpa ou tão só que sinto a sua falta. Tudo se torna muito mais simples quando o coração nos permite distância suficiente para podermos dizê-lo sem nos sentirmos incomodados ou envergonhados.
Há coisas que sinto mas não digo e sei que arrepender-me-ei a vida toda se um dia perco a minha mãe, a minha tia, o meu tio, a minha avó, o meu irmão e sobretudo a minha irmã sem nunca ter chegado ao lado deles e dar-lhes um abraço simplesmente por sim, simplesmente porque o sinto.
Desde muito nova que tenho dificuldade em dizer as coisas mais bonitas às pessoas mais queridas, e essa é uma das coisas que mais rapidamente mudaria em mim.

Ao meu namorado, que dentro do baralho ainda é o mais afortunado neste sentido, fica aqui o meu Amo-te. Bem como à minha mãe, à minha tia, o meu tio, a minha avó, o meu irmão e, muito especialmente, a minha irmã. Porque, às vezes, quando o queremos dizer, já não temos quem nos possa ouvir…

12 comentários:

I wish disse...

Tens toda a razão***

Este Blogue precisa de um nome disse...

É mesmo... Cheguei aqui pela tua irmã ;)

Fenix disse...

Não posso estar mais de acordo!
Tomei essa mesma decisão há uns 15 anos, quando gerava a minha filha e tenho-a posto cada vez mais em prática. Sinto-me muito feliz por o fazer.
Disse isso mesmo neste meu post.

Beijinhos
São


PS: Vim cá ter através do blogue da mana :-)))

Patrícia disse...

Sabes, eu tb sou um pouco assim. Se calhar não com tanto extremismo, mas muito perto disso. No entanto, com o meu filho sou o oposto. A troco de nada lhe digo que o amo e ele retribui com um "mas eu amo-te mto mto mto mais". E esta é a melhor sensação do mundo.

Cheguei aqui através da tua irmã:)

Fred Eat Cock disse...

Às vezes dá-me para abraçar, só porque assim, sem mais nem menos. Mas só mesmo aos mais chegados (mulher, filha, cadela...). Havia de ser bonito dar-me para abraçar as gajas que encontro na rua (aquelas que me apetece abraçar, porque há com cada uma, mais "mal encavada" do que a outra... eheheh) e aparecer em casa com os olhos negros de porrada eheheh.

A tua "mana" é que me "empurrou" para aqui... queixa-te. lol

Marta disse...

Vim cá parar através do blogue da tua mana. E em boa hora conheci o teu blog. Gosto muito. Parabéns!

Andréia M. G. disse...

Sua irmã divulgou seu blog e melhor coisa não poderia ter feito. Adorei seu espaço!

Sobre o que escreveu, percebo que o que falta nos gestos estão muito bem representados por suas palavras.

Bj

Ana disse...

:) Muito obrigada a todos, finalmente tenho visitantes! Ás vezes o silêncio diz tudo, não é verdade?

Carla disse...

Ai como te entendo :)

Ana disse...

Acho que há muita mais gente assim do que eu pensava... Pensava que não, vejo sempre toda a gente tão querida e com demonstrações de carinho aos amigos e familiares, e pensei que eu é que era estranha!

Mariana disse...

Gostei do blogue :)

bj

Badochas.... disse...

Percebo perfeitamente eu sou exactamente igual, não é defeito é feitio... apesar de todos essas pessoas sabem que gostamos delas mesmo sem que o digamos :)
Gosto do blog! :)