segunda-feira, 20 de maio de 2013

Das dívidas

Uma das melhores sensações que posso ter, enquanto proprietária de um negócio, é saber que não devo nada a ninguém. À partida, quando abri o meu negócio, tinha uma dívida perante o meu tio que foi quem me emprestou o dinheiro mas esse dinheiro acabou por ser dado e dívida saldada... nunca poderei agradecer o suficiente, mas também não preciso e sei disso.
Não entendo, juro que não, as pessoas que primeiro tiram dinheiro para si, depois para umas coisinhas para a sua loja e só depois pagam o que devem. Eu faço ao contrário: pago o que devo, pago as dívidas da loja e, se sobrar algum (graças a Deus tem sobrado, uns meses mais e outros menos) tiro para mim. O facto de muitas pessoas fazerem as coisas ao contrário gera uma bola de neve de miséria. Se eu não pago ao meu fornecedor, o meu fornecedor não terá dinheiro para pagar ao seu fornecedor ou fabricante, por consequência esse vai ficar endividado e poderá ter que fechar... mais desemprego, menos dinheiro, menos compras, menos vendas.

Há situações extremas, que fogem ao nosso controlo. Mas, garantidamente, a minha opção será sempre esta: primeiro pago o que devo, depois vejo o que sobra. Há muita gente com negócios que vive à grande e à francesa, bons carros, bem vestidos, cabeleireiro todas as semanas... E as dívidas a acumular, má fama, a darem cabo dos negócios alheios. É isso.

10 comentários:

ádescávir disse...

Eu sou apologista de que gosto de dormir bem. Dividas, espero nunca as ter! E se as tiver, é para pagar o mais depressa possível.

Conto de Fadas disse...

ádescávir, todos estamos sujeitos a contrair dívidas, aliás, é rara a pessoa hoje em dia que não as tenha, quanto mais não seja por estar a pagar um crédito... mas o desleixo com aquilo que se DEVE aos outros faz-me impressão, mesmo! Eu conheço muita gente, demasiada, que acha sempre que os outros podem esperar que lhes dê jeito.

Cris and Crafts disse...

É bem verdade, eu bem vejo lá na empresa, temos clientes com valores ridículos que não pagam há meses, dizem que não têm, que não sabe quando podem pagar, mas a vida continua para eles. Bjs

Conto de Fadas disse...

Cris and Crafts, a minha mãe lida com facturação de muitos milhares de euros (alfândega) e diz que é um disparate, tem gente que deve há um ano e não faz nada!

Quel* disse...

É exactamente por haver pessoas assim, que primeiro tiram para si, que há tantos negócios a fechar.

Conto de Fadas disse...

Quel*, é uma política que não entendo...

mrfashionmood disse...

Já conheci de perto (infelizmente)um caso assim extremo num local onde trabalhei...fornecedores a ligar várias vezes a reclamar...e achas que a pessoa responsável se importava? Estava na boa! Quem tinha que dar a cara é que coitado...é mesmo de quem não tem consciência e quando ainda negam as dívidas...bem sem palavras, revolta-me tanto estas situações...bjs*

Conto de Fadas disse...

mrfashionmood, parece que o mundo está para esses espertos! Devem a meio mundo e depois os outros que se lixe... na hora H ninguém processa ninguém, ainda gastariam mais!

mrfashionmood disse...

Pois o problema é esse, é que nem vale a pena processá-los! :S o remédio mesmo seria levarem uma valente sova para aprenderem...bjs*

GATA disse...

E assim é que deve ser!