terça-feira, 20 de julho de 2010

As Amizades.

Desde muito cedo que tenho dificuldade em considerar esta ou aquela pessoa como minha amiga ou meu amigo.
Acho que é por isso que conto os meus amigos pelos dedos de uma mão: meu amigo é aquela pessoa a quem ligo quando se passou algo de importante na minha vida (a um deles até nem ligo, mas quando ele me liga, de mês a mês, descarrego todas as informações novas velocidade da luz!); aquela pessoa com quem posso contar sempre, e sei que se disser "estou aqui e estou mal" vem a correr; é aquela pessoa que ajudo sempre que posso e, mesmo que não possa, arranjo forma de poder, e sei que faz o mesmo por mim; aquela pessoa a quem posso contar tudo e me ouve com carinho e atenção. Se conheço muita pessoas dessas, sem ser as que pertencem à minha família? Não, nem por isso...
Por isso é que os meus amigos são preciosos para mim, aquelas 3 ou 4 pessoas que vivem num cantinho muito grande do meu coração. A eles, suas raridades que me aturam, o meu obrigada muito sincero.

4 comentários:

im disse...

Concordo inteiramente contigo. Penso que as pessoas confundem demasiado, que utilizam a palavra Amigo erradamente e a vulgarizam...

Beijinhos

JS disse...

Também concordo contigo.
A amizade é mesmo assim.

Confesso que tenho alguma dificuldade em confiar nas pessoas e criar amizades. Por força de algumas experiências, não sou uma pessoa de muitas amizades mas sim de grandes amizades.

Tenho um grande defeito, no que toca amizades sou muito pouco altruista. Não consigo "dar" sem receber, aliás até sou capaz de dar mas se numa situação que preciso esse algúém me virar as costas, normalmente não aceito bem.

Se estou correcta? Provávelmente não, mas ninguém é perfeito.

Ana disse...

Eu sou igual. Paciência! E não sou minimamente de ser amiga de quem não é meu amigo. Temos pena!

Doce disse...

Concordo contigo! Não diria melhor.