domingo, 31 de outubro de 2010

O casamento até correu bem, nem foi muito chato. Tirando a parte de chover torrencialmente, como tinha muita gente conhecida (tudo família) até gostei. Os pratos foram bacalhau e não, não foi borrego, tiveram a sensata ideia de escolher posta galega para o prato de carne e era muito boa. Toda a gente dançou e se divertiu, a minha prima estava lindíssima (como sempre) e os noivos - agora casados - parecem realmente apaixonados. Por alguma coisa já estão juntos há 7 ou 8 anos... Pronto, agora tão cedo não vou a outro casamento!

Mas para mim este casamento foi importante por um motivo. Consegui ver que ainda gosto muito mais do meu pai do que pensava, apesar de tudo. A certa altura, até me deu um aperto no peito. Foi esquisito... enfim.


4 comentários:

MissGummyBear disse...

Tão bonito, quando sentimos esses apertos no peito :)

Petra Pink disse...

olha se foi para perceber isso em relação ao teu pai ja valeu e muito a pena!

Patife disse...

A ideia de casamento foi criada numa altura em que a esperança média de vida não passava dos 30 anos. Nesses tempos a expressão "até que a morte os separe" tinha uma carga dramática muito pouco densa. ;)

Ana disse...

Ai homem, que maneira tão aborrecida de ver o casamento. lol