terça-feira, 21 de agosto de 2012

Manter posição

Não gosto nada daquelas pessoas que acham que, para manter posição quando vão fazer uma reclamação ou queixar-se de alguma coisa, acham que a forma mais certa de abordar é serem automaticamente antipáticas, rudes e malcriadas.
Eu também sei ser dessa forma. Ao contrário da minha other half (a gémea, não o Caixote), não sou naturalmente sorridente. Sei ser mesmo assertiva e muito intimidante quando quero. No entanto, quando vou reclamar ou queixar-me de algo, abordo de forma educada e simpática.
Isto porque, quem está do outro lado, até pode ter uma postura fantástica e agir super bem. Lembro-me quando trabalhava no shopping, na Tiffosi, que atendia sempre as reclamações até com mais sorrisos do que uma compra. Havia gente que chegava ao balcão logo a bombardear para que quem estava do outro lado pensasse Poças, este está a falar a sério! Deixa-me já fazer-lhe as vontades todas... E surte o efeito contrário. A mim, quando me apareciam dessa forma, pedia para se acalmarem que Eu resolvo tudo. Na Tiffosi nós trocamos tudo o que tenha menos de 2 anos (pelas etiquetas e modelos sabíamos isso) e dávamos peças novas se o cliente assim quisesse ou recuperávamos se preferisse. Toda a gente que reclamava saía de lá contente, pelo que era escusado entrarem a falar tipo metralhadora em guerra...
Na minha loja é igual. Eu, na verdade, nunca tive reclamações. Mas hoje recebi uma, super antipática. O importante aqui não é o assunto... é mesmo a maneira de abordagem. Porque é que não se fala a bem e se ataca logo, se escreve um testamento a discutir e criticar? É para meter medo? É que a mim não metem medo... Eu continuo a resolver tudo, como na Tiffosi, de forma rápida e sempre satisfatória para o cliente.

Não percebo porque se age assim, nunca percebi. Ninguém tem medo por fazerem isso nem vai agir melhor por causa disso.

8 comentários:

GATA disse...

Eu sou como tu, começo sempre pela abordagem educada e simpática. Mas se, do outro lado do balcão, não for recebida com educação e simpatia, começo a mostrar as unhas! :-)

Caixa disse...

Claro, isso é normal e tem de ser, a reclamação é um direito! Parece-me é óbvio que começar com 7 pedras na mão é um péssimo princípio...

Coquinhas disse...

Concordo plenamente. Fiz uma única reclamação na minha vida, na EDP, pois claro, e se tinha motivos para estar chateada...não levantei pio, fui educada e acima de tudo simpática. Até porque as pessoas que ali estão normalmente não têm culpa... Enfim...gente parva

Li Menina Mulher disse...

O problema é as pessoas nao serem civilizadas...porque por mais chateadas que as pessoas estejam, se forem educadas automaticamente são civilizadas! Ha com cada uma...

Wallis disse...

Acho que procedes da melhor maneira. Aliás, a descontracção e um sorriso são do melhor para desarmar essas pessoas e deixá-las sem argumentos. Talvez as pessoas achem que não as vão levar a sério se reclamarem com calma. Do género " se eu vier com falinhas mansas vão pensar que eu não estou realmente chateada com isto e não me vão resolver as coisas a gosto, por isso o melhor é espingardar". Para mim, é um reflexo do que se passa no geral: quando a coisa não corre de feição, as pessoas são agressivas e hostilizam as pessoas. Isso só gera mau retorno, porque é difícil manter a compostura perante esta atitude, não é?

Já agora, embora não tenha a ver com o teor do post, estou curiosa para saber o que pensas sobre a falada decisão do Pingo Doce (que se diz poder contagiar outras empresas)de abolir os pagamentos por MB abaixo de 20 €.
beijinhos
W.

Caixa disse...

Wallis, vou fazer um post sobre isso, já que falaste. **

Wallis disse...

Obrigada (depois vi um comentário teu no blog da Kitty fane, mas pronto, assim desenvolves :))

EscritaDela disse...

Eu acho que as pessoas acham que se começarem a reclamar de forma simpática não são levadas a sério mas se partirem para cima têm logo a atenção do responsável a quem se dirigem. Só que mesmo que assim seja não acho que se justifique ser antipático e até mal educado porque só por isso já se perde parte da razão.