terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Surpreendentemente, também temos vida.


Há uma coisa que não entendo e nunca vou ser capaz de entender, mesmo que agora tenha o meu próprio negócio e queira é vender o máximo possível: gente que vai fazer compras no dia 24 de Dezembro, por volta das 18 ou 19 horas, hora a que costumam fechar os estabelecimentos comerciais e shoppings.
Se vos cabe a carapuça, vou-vos contar uma novidade: quem está detrás daquele balcão já está a fazer um sacrifício enorme para estar ali. Já não está com a sua família a preparar as iguarias de Natal, não está a conversar sentada no sofá à lareira com os seus, não está já a roer umas nozes ou amêndoas, não está a partilhar a magia que há em todas as casas durante o dia todo. Só vai ter direito a parte dessa magia a partir das 19h30 ou 20h, hora a que chegará a casa, cansada, para tomar um banho e ainda preparar o jantar de Natal (à pressa, se não teve quem lho preparasse) e curtir o resto do dia, já que já não sobra muito.
Não entendo como é possível haver gente como um senhor que atendi no ano passado numa loja em que trabalhei apenas na época de Natal, que lá entrou a uns minutos das 19h (hora a que o shopping fechava) e esteve até depois das 19h30 a mandar-nos fazer dois arranjos de flores de mais de um metro cada. E depois proteger tudo. E depois embrulhar tudo já montado (a trabalheira que aquilo não deu!). O senhor, que provavelmente não trabalhou durante esse dia, teve de ir àquela hora, na noite de Natal, quando já estávamos a preparar-nos a fechar a caixa e ir embora para beira das nossas famílias, comprar aquilo que teve semanas e semanas para comprar e dar o trabalhão que deu àquela gente, que só saiu da loja perto das 20h porque, enfim, a loja não se limpa sozinha, o dinheiro não se conta sozinho e os fechos não se fazem sozinhos...

Por isso vos digo: não façam isso. É feio, magoa quem está a trabalhar - desejoso de ir viver o seu dia de Natal - e é uma falta de respeito por quem está a trabalhar nesse dia. Não deixem para a última...

8 comentários:

NI disse...

Como não gosto das confusões faço sempre as compras atempadamente com excepção da fruta e dos legumes que são feitas na manhã do dia 24.

Este ano atrasei-me um pouco mas mesmo assim só me falta comprar a prenda para o "mais que tudo". :)

Beijo

Ana Sá disse...

Ni, e comprar no próprio dia não tem mal! Acho só que é muito foleiro ir a 5 minutos de fechar... isso acho, porque já o sofri na pele!

Sílvia disse...

Para o dia 24 só deixamos mesmo aquelas coisas que se estragam como doces, frutas e assim, de resto nem pensar em fazer isso de tarde. Fazemos sempre de manhã ou então no dia 23 ao fim do dia...

Ana Sá disse...

Silvia, isso é natural! Nós também vamos comprar pão e broa e afins de manhã, mas não vamos empatar à hora de fecho, para quem já sai tão tarde!

L* disse...

Concordo contigo! Nunca estive numa situação semelhante à tua, nem ninguém da minha família (fechavam mesmo a loja nesse dia, ou então estava aberta só de manhã).
Acho que as pessoas se esquecem (não sei bem como) que quem trabalha no comércio, tal como dizes no título, também tem vida, também tem família...
***

Cláudia disse...

Já passei por essa situação e concordo com o que escreveste em grau, género e número. É falta de civismo e, sobretudo, de sensibilidade para com os outros.

Maria disse...

Eu também passei por isso... como compreendo. Era eu na zara a trabalhar que nem uma doida e as pessoas algumas a passar pela grade (a meio...).

Ana Sá disse...

Maria, também já me aconteceu! lol