quinta-feira, 24 de março de 2011

Dos facilitismos

O problema da geração actual são os facilitismos. Têm tudo o que querem, na hora que querem.

Já quando andava no liceu (e, atenção, eu tinha um pai que chegou a meter em casa 5000 ao mês...), ficava muito admirada pelo facto de a maioria dos meus colegas ter all-stars nos pés (toda a gente as tinha!), Levis nas pernas e Miss Sixty ou Carhart nos lombos. Ficava admirada porque eu, apesar de os meus pais terem na altura duas casas, três carros e algum dinheiro, não tinha nada disso. Os meus pais nunca me deram roupa cara e, agora, se tenho duas calças Salsa, relógios de marca, bolsas de marca e camisolas de marcas caras é porque, provavelmente, o Caixote mas deu todas, porque eu não consigo gastar muito dinheiro eu coisas para mim. Posso comprar várias coisas, mas nada caro.
Ainda no liceu mas, sobretudo, na faculdade, ficava muito admirada porque quase todos os meus colegas tinham telemóveis topo de gama. E carros bons, muito bons. Carros que lhes foram oferecidos quando entraram para a faculdade. Bem, entre eu e a minha irmã tivemos as melhores notas de todas as disciplinas dos exames nacionais na área de Humanidades no nosso liceu no ano em que nos candidatamos à faculdade, e nenhuma de nós teve qualquer prenda. A maior prenda foi o orgulho com que a minha mãe e a minha família falavam nisso, o maior orgulho foi podermos escolher uma casa no Porto (para onde tivemos de ir viver, porque não nos importamos de sair 4 anos da casa dos pais, e aprender a cozinhar, passar a ferro, limpar a casa... hoje faço isso tudo sem que me digam na nossa casa de família!) ainda em Julho, ao contrário daqueles outros que se ouvem na televisão todos os anos em Setembro, a dizer que entre a colocação nas faculdades e o dia do começo das aulas só tiveram dois dias para escolher uma casa.
Eu nunca tive luxos, os meus pais nunca me habituaram a luxos. Trabalho em part-times e full-times desde os meus 18 anos. Com o dinheiro de um part-time de Verão, paguei a minha carta de condução de uma só vez. Paguei quase todos os meus livros na faculdade. Paguei a minha roupa, os meus luxos, as minhas saídas à noite, os meus jantares, a prenda para a amiga que faz anos. Nunca pedi nada disso à minha mãe, porque o meu pai ganha muito bem mas a minha mãe não, e agora é apenas com ela que podemos contar.
O meu pai saiu de casa um mês antes de começarem os exames nacionais. Não me deu para o trauma, não me deu para a depressão, deu-me para o esforço e o afinco e daí termos tido as duas as notas que tivemos! Apesar de ver a minha mãe chorar todos os dias, cair ao chão sem se levantar, apesar de o ambiente em casa estar uma belíssima merda.
Durante a faculdade sempre trabalhei: ao fim-de-semana (todos os fins-de-semana), durante a semana às vezes, nas férias sempre... Nunca chumbei a uma cadeira, nunca perdi um ano, nunca nada. Eu bem sei que há gente que chumba na faculdade porque não quer saber muito daquilo e tem outras prioridades, mas não me falem que é pela dificuldade porque eu não sou um génio, tive muitos problemas pessoais, trabalhei muito, houve muitas e muitas semanas em que não tive um dia de folga (entre faculdade e trabalho) e estou aqui, licenciada e à procura de emprego.
Também não consegui um emprego de mão beijada. Não sou filha de advogados nem juízes, não conheço nenhum advogado nem juiz, não sou amiga de nenhum... não me foi aberta nenhuma porta nesse sentido. Há 9 meses que estou licenciada e continuo sem emprego, mas sempre à procura, a bater muitas portas, a fazer muitas chamadas, a enviar muitos emails.

Eu acredito que vá ter a minha recompensa. Nunca tive a vida facilitada. Só posso dizer que tenho a vida muito facilitada no sentido de que tenho a melhor família materna do mundo, os melhores irmãos, e o melhor namorado do mundo. E chega.

14 comentários:

Carla disse...

Compreendo tudo.

Mas isso faz de nós pessoas mais felizes e realizadas. Isso dá-nos garra para viver a vida, que os outros (aqueles que têm tudo facilirado) nem sabem que existe!

Um beijinho de força e coragem para ti!

Carla disse...

Perdão, facilitado!

Fi ♥ disse...

Compreendo e mais uma vez identifico me. Foi por não termos tudo de mão beijada e a vida cheia de facilitismos que hoje somos como somos, por isso só temos de agradecer a quem nos criou desta forma*

Fresco_e_Fofo disse...

É uma lição de vida muito bonita. Uma grande parte dos jovens de hoje, chega a adulto sem qualquer preparação para a vida e completamente imaturos, porque os pais, ou não estavam presentes na altura em que eles precisavam de orientação, ou eles próprios não estavam preparados para educar os filhos e encontram na ostentação uma forma de se acharem realizados.
Já tenho contado aqui que por vezes sinto um certo remorso por nunca ter dado à minha filha aquilo que ela via nos colegas. Teve o primeiro telemóvel aos 18 anos, quando entrou para a faculdade e tanto a carta como o carro, pagou-os com dinheiro da poupança dela. Mas quando lhe falo nisto, diz-me que nunca sentiu falta de nada, que lhe demos tudo o que ela precisava.
E tu vais conseguir. Quando as pessoas vão à luta com os pés assentes na terra, podem passar tempos difíceis, mas um dia acabam por conseguir atingir os seus objectivos.
Força!

Ana disse...

Podem crer, acredito que tudo o que implica esforço, quando se alcança, sabe 100 vezes melhor! Por isso quando conseguir um bom emprego e uma boa vida (com tudo a que tenho direito, porque a actual já é boa e feliz), vai saber muito bem. :)

Geri disse...

Adorei este post! Conheço muito boa gente que o devia ler e pôr a mão na consciência.
Parabéns por serem assim como são!

Ana Domingos disse...

A minha mãe sempre disse: "O que é bom faz-se esperar". Não podia concordar mais com ela. As coisas têm muito mais valor quando lutamos para as conseguir e não as recebemos de mão beijada. Adorei ler o seu post, é muito verdadeiro. Há por aí muitas pessoas que deviam lê-lo...

Sabor Adocicado* disse...

um exemplo a seguir sem dúvida. Eu também acho que quanto mais dificuldades nos põe no caminho mais temos que lutar (:

dead or alive! disse...

mts parabens pelo teu esforço.. Hoje em dia os jovens tem tudo de mao beijada, e mesmo assim queixan-se de tudo. Queixam-se das propinas serem caras, mas nas festas não falham uma.

e ja agora um texto sobre a "geração a rasca", que axo k vale apena ler, e que descreve mt bem a realidade dos jovens actuais, com as devidas excepções claro

http://www.facebook.com/notes/david-pereira/gera%C3%A7%C3%A3o-%C3%A0-rasca-para-lerem-com-aten%C3%A7%C3%A3o-especialmente-n%C3%B3s-pais-e-m%C3%A3es/207028472656847

Kara de Ku disse...

Acho que tens garra e um dia vais "agarrar" um belo dum tacho.
Mas o que é que isto tem que ver com "das limpezas", que aparece na minha lista?
Das limpezas, há 4 horas?

dinona disse...

Ó Ana, ao ler isso eu revi-me em tudo.
Nunca fui comprada por ter boas notas, o ter boas notas era uma obrigação minha.
E o meu pai fez exactamente a mesma coisa pelo que só pude contar com a minha mãe e não fui capaz de a deixar sustentar-me e comecei logo a trabalhar.

Ana disse...

Oh Kara de Ku, tinha feito o post mas retirei! :) lol És um leitor atento.

Pois é minha gente, tudo que é bom ganha-se com pulso e esforço. :)

Julie disse...

Mtos parabéns pelo post mas principalmente pela pessoa que és. :)


Bjinhos

Ana disse...

Obrigada Julie. :)